Siga o Jornal de Brasília

Torcida

Brasiliense leva o bronze nos Jogos Olímpicos da Juventude

Adrian Andreev até mostrou força no primeiro set, mas a medalha de bronze na chave individual do tênis nos Jogos Olímpicos da Juventude ficou com o brasiliense Gilbert Klier. Numa disputa acirrada, realizada nesta sexta-feira (12), no Green Park, em Buenos Aires, o tenista fechou a partida com o segundo set ainda em andamento, quando vencia por 3 x 1, após o búlgaro desistir da prova por lesão.

“Foi uma semana dura, cansativa, acordando todo dia às 6h e jogando mais de um jogo por dia. Mas estou feliz e com a sensação de dever cumprido ao levar essa medalha para casa”, comemorou o candango de 18 anos e atualmente o 12º no ranking mundial juvenil da Federação Internacional de Tênis (ITF, na sigla em inglês).

No primeiro set, Andreev chegou a abrir quatro games a zero, mas o placar não desestabilizou o brasileiro. Klier apostou na mudança de estratégia de jogo, com mais bolas curtas, o que resultou num placar de 6 x 4. “Ele estava se sentindo à vontade com as bolas que eu estava batendo. Então eu tive que mudar um pouco, tirá-lo da zona de conforto e obrigá-lo a pensar porque ele já estava fazendo jogadas incríveis automaticamente”, explicou. “Eu percebi que ele estava com um pouco de dificuldade para correr para a frente, estava muito atrás. Então eu acabei dando várias curtas e funcionou. Com isso, ganhei mais confiança para conseguir fazer as outras coisas, como sacar e devolver melhor”, completou.

Disputar um torneio pelo Brasil, além do apoio da torcida e da família, pesou para que o atleta encontrasse forças para a recuperação e a vitória. “Jogar pelo seu país é uma sensação diferente. Não é igual a jogar um Grand Slam. Aqui estou jogando pelo Brasil, não é pelo Gilbert. Quero agradecer à torcida e à minha família. Foi com essa energia que consegui virar e vencer”, garantiu.

Para o atleta, a conquista desta sexta-feira será importante para o fortalecimento da modalidade no país. “O tênis brasileiro tem incríveis jogadores, mas eu acho que o Brasil deveria ter mais torneios e incentivar mais o tênis, além do esporte em geral. A Argentina, que é um país mais pobre, tem mais jogadores”, avaliou.

Desde os seis anos, quando começou a jogar com o pai, Gilbert Klier vem colecionando títulos e participações em competições de peso. Ele é campeão sul-americano e chegou às quartas de final em Wimbledon. “Mas foi uma experiência extraordinária disputar os Jogos, representando o Brasil. Eu já tinha disputado o Mundial (Junior Davis Cup) e, se Deus quiser, terei novas oportunidades”.

Esta é a terceira medalha brasileira no tênis conquistada em Jogos Olímpicos da Juventude. Na edição anterior, em Nanquim 2014, o Brasil levou ouro na chave de duplas com Orlando Luz e Marcelo Zormann e a prata na individual com Luz. A final masculina de simples desta edição dos Jogos será disputada amanhã (13), entre o argentino Facundo Diaz Acosta e o francês Hugo Gaston.

Brasil não avançou nas demais chaves

Na última quarta-feira (10), Gilbert Klier e o colombiano Nicolas Meija, sexto no ranking da ITF, perderam para Andrian Andreev e para o australiano Rinky Hijikata, nas quartas de final da chave de duplas. No torneio de duplas mistas, o brasileiro e a japonesa Naho Sato foram eliminados ontem (11) por 2 sets a 1 pela russa Oksana Selekhmeteva e pelo espanhol Carlos Lopez Montagud.

Fonte: Rededoesporte.gov.br

Mais Lidas

    ///////////////////////////////////// // Anncios /////////////////////////////////////