Siga o Jornal de Brasília

Cidades

Vídeo: chuva provoca alagamentos no Sol Nascente, em Ceilândia

Em uma das casas, a água chegou a bater no joelho de moradora.

Publicado

em

Raphaella Sconetto
[email protected]

Poucos minutos de chuva foram suficientes para trazer prejuízos aos moradores do Setor Sol Nascente, em Ceilândia, neste domingo (21). As casas foram invadidas pela água e pela lama das obras de infraestrutura que acontecem na região. Moradores contabilizam os danos e criticam a falta de ajuda do governo. Em São Sebastião, uma mulher se afogou em um córrego após ser arrastada por uma enxurrada. 

A dona de casa Eliane Trindade Ferreira, 18 anos, lista o que perdeu: “Estante, guarda roupa, sofá, cama e comida. Não tem nada seco”.  Segundo a mulher, a água entrou por um buraco que foi cavado durante as obras. Por isso, não foi possível conter a inundação. “Pegamos balde para tentar jogar para fora, mas não dava. Estava entrando por cima da contenção que tem no portão”, afirma.

Eliane conta que a água da chuva chegou a bater na altura do joelho. “Não foram nem 30 minutos de chuva. Só esse tempinho e alagou tudo”, lamenta. Na casa do seu irmão, logo na frente do seu lote, a situação foi a mesma. “Ele perdeu tudo”.

A dona de casa critica a ausência do governo. “Ninguém apareceu. Só a Agefis, que disse que podia ajudar só com um colchão. E o resto das coisas que perdemos, quem vai pagar o estrago?”, questiona. No final da tarde deste domingo, embora a chuva ainda permanecesse, Eliane garantiu que a água estava abaixando. “Agora estamos limpando as casas para ver o que sobrou”, acrescenta.

Obra incompleta 

O auxiliar de serviços gerais Paulo Henrique Ramos, 21 anos, não perdeu nada dentro de casa. “A água entrou só no quintal. Mas foi muita água e muita lama”, conta. Segundo ele, todo esse caos foi resultado de apenas 20 minutos de precipitações. Apesar de a água ter ficado só do lado de fora, ele critica as obras que acontecem no Sol Nascente. “A obra é devagar. Na minha rua já está com paralelepípedo, mas não colocaram um bueiro para a água correr. Aí a água não tem para onde ir e vai para nossas casas”, observa.

 

Confira fotos: 

Versão oficial 

Em nota, a Secretaria de Infraestrutura e Serviços Públicos (Sinesp) informou que as equipes das empresas contratadas para as obras trabalharam durante o domingo para minimizar os efeitos da chuva. “Como é de conhecimento, o Sol Nascente nasceu como ocupação irregular e apenas nesta gestão está recebendo obras de urbanização”, apontou.

A Defesa Civil também esteve na região para atender duas ocorrências de alagamento nas chácaras 16 e 115, localizadas no Trecho 3. O Corpo de Bombeiros, porém, não recebeu nenhum chamado. Em nota, a pasta acrescentou que não houve nenhuma vítima, “somente danos materiais a alguns moradores”.

Por fim, a Sinesp esclareceu que as obras do Trecho 1 já foram entregues, enquanto a pavimentação e drenagem dos trechos 2 e 3 ainda estão em andamento. A previsão é de que os serviços sejam finalizados no primeiro semestre de 2019.

Você pode gostar
Publicidade